57 anos de uma das maiores vozes do Metal – James Hetfield.

Scárlath Gabardo . Há 9 meses atrás

O frontman da banda Metallica completa hoje, 3 de agosto, 57 anos (sendo, de carreira,  quase 40 anos). E como uma singela homenagem, vamos revisitar alguns momentos da vida desse gênio da música.

Criado em uma família cristã, James foi introduzido ao mundo da música por sua mãe, que era uma cantora lírica, e abandonado por seu pai aos treze anos de idade, tendo mais tarde contato com ele (que só procurou o filho depois do lançamento do Black Album).

James já teve outras bandas antes do Metallica, mas não popularmente relevantes o suficiente para serem mencionadas, já que só serviram de experiência para a construção do Metallica, em 1981.

A cara de mau e a pose nos palcos difere demais da real persona do vocalista, que é pai de três filhos e já mencionou em entrevista que quando Dancing Queen (ABBA) começa a tocar no rádio, é o momento deles se divertirem. Além disso, James não se envolveu em (muitas) polêmicas ao longo de sua carreira, a não ser, é claro, sua constante batalha contra o vício em álcool.

James, sua esposa e filhos.

Recentemente, ele teve que voltar para a reabilitação, antes mesmo de finalizar a turnê mundial de Hardwired…To Self Destruct (2016). O documentário Some Kind Of Monster (2004) acompanha de perto o vício e os desafios de James em sua recuperação, e todas as implicações que isso teve na banda.

Em sua vida pessoal, James participa de muitos outros projetos, não só envolvendo música. Fez uma pontinha como ator no filme Extremely Wicked, Shockingly Evil and Vile (2019), onde interpretou o primeiro policial que prendeu o Serial Killer Ted Bundy (e pessoalmente, eu achei que ele se saiu muitíssimo bem). A música The Four Horsemen (Kill ‘Em All) também faz parte da trilha sonora do filme. 

Além disso, acompanha sua filha mais velha, Cali, em apresentações musicais que tem como objetivo arrecadar dinheiro para uma fundação de Oncologia dos EUA. Também já gravou uma música country num álbum tributo ao cantor Waylon Jennings, do qual é muito fã. Inclusive, ele até traz alguns elementos do country em suas músicas, um bom exemplo é Mama Said (Load).

A mudança vocal de James é uma coisa muito comentada – e impossível de não ser notada – dos primeiros discos da banda até hoje. Isso se deve a técnica utilizada por ele no início da carreira, que apesar de não apropriada, é a fase mais querida de muitos fãs, que preferem essa época com uma pegada mais thrash metal. Só no final dos anos 80 é que James começa a frequentar um fonoaudiologista, e é aí que o And Justice For All (1988) e o Black Album (1991) parecem trazer um novo vocalista para a banda. Depois disso, é nítida a mudança que conhecemos até hoje. 

James em turnê do album Ride the Lightning (1984)

James afirmou em entrevista que não sabe o que será do Metallica esse ano, mas o que nós desejamos é que ele se recupere completamente e que a banda ainda tenha muitos anos de sucesso pela frente.

Soterocuritibana, 24 anos. Um poço raso de paciência, fã incurável de filmes de terror.

Comentários