As Virgens Suicidas – Eternamente livres

Scárlath Gabardo . Há 3 anos atrás

 

O filme começa com o instrumental arrastado e suave de Playground Love, da banda Air, embalando uma tarde comum de verão ensolarado, num bairro tranquilo e bonito de classe média em Michigan. A atmosfera de tranquilidade é imediatamente interrompida pelo som da sirene de ambulância, que arrancava a paz da vizinhança para resgatar uma suicida de 13 anos.

Cecilia, Lux, Bonnie, Mary e Theresse, as encantadoras irmãs Lisbon, são protagonistas do amor platônico de 4 jovens que moram nas redondezas, e a história é narrada do ponto de vista de um deles, que teve acesso ao diário delas, 25 anos depois da morte inesperada de todas.

A estréia de Sophia Copolla como diretora, em 1999, trouxe um mix de sentimentos pesados e melancólicos, com cenas lindas que te fazem enxergar vida nas protagonistas e uma fotografia fantástica. O filme consegue ser ao mesmo tempo triste e admirável, fazendo o espectador se angustiar com o cárcere e superproteção absurda em que vivem as irmãs.

Após a tentativa mal sucedida de suicídio da irmã caçula, o filme insere pouco a pouco o ar de tristeza disfarçada que paira sobre o teto dos Lisbons. Com uma mãe ridiculamente rigorosa e controladora e um pai mais ridiculamente ainda submisso e passivo, as meninas escondem uma melancolia contagiante por debaixo de seus sorrisos estonteantes.

 Após voltar do hospital, os pais de Cecilia dão uma festa no porão (por recomendação dos médicos), para que suas filhas interajam com pessoas de sua idade e aproveitem minimamente sua adolescência (obviamente sob a supervisão incisiva e sutil dos pais). Porém a alergia não chega para ficar e Cecilia finalmente consegue se suicidar, se jogando da janela do segundo andar e sendo fatalmente espetada pela cerca.

O pai permanece em estado de negação e a mãe em choque absoluto após ver sua filha mais nova morrer diante dos seus olhos. Porém, o luto é brevemente aproveitado pelas 4 irmãs, o que inicialmente causa estranheza, que mais adiante pode ser interpretada de outra maneira.

Lux é a mais charmosa das irmãs, atraindo olhares por onde passa e roubando o coração de Trip Fontaine, o galã da escola onde estudam. Trip não descansa até conseguir a suada atenção de Lux, e depois de muito esforço convence o pai das meninas (professor de matemática da escola) a levar as irmãs ao baile, na companhia de seus amigos.

As quatro meninas se vestem quase que absolutamente iguais, com vestidos clássicos e discretos, sem decotes ou cortes ousados, mas que sutilmente dão um aspecto angelical a cada uma delas. Ainda no ápice de sua discrição, Lux e Trip se tornam rei e rainha do baile e passam sua primeira noite juntos. Ao amanhecer, Lux está sozinha no campo de futebol da escola, e ao chegar em casa é imediatamente colocada de castigo. Como punição, todas as irmãs são mantidas trancadas em casa e proibidas de frequentar a escola novamente, tendo seus discos e revistas como único contato com o mundo exterior.

A partir daí, o vigor que cada uma delas ainda carregava, se perde entre as paredes claras e decoração feminina e provençal de sua pequena prisão domiciliar. Tornando-se companheiras de si mesmas, as meninas começam a se comunicar com seus admiradores (os narradores da história) compartilhando trechos de músicas pelo telefone. Um dia, eles recebem uma carta escrita por elas, marcando um encontro na noite seguinte, para que possam seguir em uma viagem e serem felizes juntos.

O entusiasmo dos meninos foi imenso. Já podiam se imaginar fazendo pares com a irmãs Lisbon, em vários pontos turísticos ao redor do mundo. Porém, o último lampejo de vida que elas tiveram, aconteceu apenas na cabeça de seus admiradores. Ao chegar na casa das meninas, Lux pediu a eles que aguardassem uns instantes, e esses instantes se tornaram eternos. Cada irmã se suicidou de uma maneira diferente, todas ao mesmo tempo, talvez em busca da liberdade que nunca tiveram em vida.

Estranhamente, o filme não te deixa sofrer com as mortes. Cada uma delas carrega um sentimento de libertação, ao se desconectarem da privação de vida que lhes foi dada. Talvez na tentativa de acertar, os pais das Lisbon acabaram sentenciando sua própria morte, ao terminarem a vida sem nenhuma de suas cinco belíssimas filhas, deixando a casa onde viveram e se mudando para algum lugar cujo provavelmente jamais serão felizes novamente.

Nome: As Virgens Suicidas
Data de lançamento no Brasil: 12 de Maio de 2000
Direção: Sophia Coppola
Duração: 1h 36 min
Elenco: Kirsten Dunst, James Woods, Kathleen Turner…
Gênero: Drama/ Romance
Nota: 5/5

Soterocuritibana, 24 anos. Um poço raso de paciência, fã incurável de filmes de terror.

Comentários