E3 2018 – O que achamos da conferência da Microsoft

Ruan Almeida . Há 3 anos atrás

E3 é o evento anual mais aguardado pelos gamers de todo o globo. Apesar de sempre começar oficialmente a partir do dia 12 de Junho, as diversas editoras sempre realizam conferências para anunciar novidades ao público.

As pré-conferências da E3 2018 começaram no dia 9 de Junho, com a EA Play, a conferência da Eletronic Arts. As impressões sobre a EA Play, já foram postadas e podem ser conferidas aqui. No post de hoje, falarei sobre minhas impressões da conferência da Microsoft, citando os pontos fortes e fracos da apresentação. Vale ressaltar que opiniões são de caráter pessoal, sempre abrindo espaço para divergências de opinião.


Microsoft Showcase

Como já havia sido revelado previamente, a Microsoft decidiu se apoiar nos jogos third-party para fortalecer a sua conferência. Para quem não conhece o termo, third-party são produções desenvolvidas por terceiros, ou seja, de estúdios que não pertencem a empresa. Graças a uma excelente leitura dos seus consumidores, a editora conseguiu entregar a conferência mais consistente e robusta da E3 2018. Como já era de se imaginar, a empresa abriu o showcase com seu principal carro-chefe: Halo Infinite.

Construído em um novo motor gráfico, o novo título da franquia trará um foco total em Master Chief, icônico personagem e o “mascote” mais conhecido da plataforma. Apesar do anúncio ter empolgado os fãs, todo o material visto se tratava de um CGI. A ausência de trechos de jogabilidade foi um banho de água fria para quem esperava o anúncio do jogo. Para piorar a situação, o estúdio revelou posteriormente que o jogo ainda vai demorar para ser lançado, indicando uma possível janela de lançamento para 2020.

Depois de Halo, outro exclusivo, já previamente revelado, apareceu na conferência: o belíssimo Ori and the Will of Wisps. Finalmente foi possível observar trechos de jogabilidade do título, mas, infelizmente, não foi dessa vez que os fãs ganharam uma data de lançamento concreta, só foi revelado que o jogo sairá em 2019.

Após Ori and the Will of Wisps, os multiplataformas entraram em ação e de forma surpreendente. A From Software finalmente revelou a sua nova propriedade intelectual – Sekiro: Shadows Die Twice. O novo jogo do estúdio japonês promete combates intensos num japão medieval fictício. Um detalhe no mínimo curioso do jogo é que ele será publicado pela Activision, empresa norte-americana conhecida pela franquia Call of Duty. Isso pegou a todos de surpresa, visto que a From Software costuma publicar seus jogos em parceria com outras companhias japonesas. Possivelmente a empresa começou a se movimentar para aumentar sua audiência no Ocidente, já que seus jogos são considerados de nicho.

Após Sekiro, dois multiplataformas foram destacados: Fallout 76 e The Adventures of Captain Spirit. Falaremos sobre esses dois títulos no post sobre a Bethesda e Square Enix. Em seguida, a Microsoft exibiu o controverso Crackdown 3, jogo que foi apresentado oficialmente na E3 2014. O jogo, que terá o lendário Terry Crews como garoto-propaganda, já foi adiado quatro vezes, deixando os fãs receosos quanto a qualidade do título. Quem conseguiu testar o game afirmou que, apesar de divertido, o jogo carece de conteúdo e de paixão, tornando-se enjoativo após duas horas de jogatina. Fica aí mais um desafio para a Microsoft, visto que outros títulos exclusivos lançados recentemente como Sea of Thieves e State of Decay 2 sofreram as mesmas críticas. A Deep Silver anunciou a data de lançamento de Metro: Exodus durante a conferência – 22 de Fevereiro de 2019. A data causou bastante burburinho entre os jogadores, visto que Anthem e Days Gone estão previstos para o mesmo dia. Caso os três jogos não sofram adiamento, Metro: Exodus passará por um massacre comercialmente falando.

Dando sequência aos third-party, o mundo de Frozen em Kingdom Hearts 3 também foi revelado durante o showcase da Microsoft. O jogo da Square Enix realizado em parceria com a Disney chegará as lojas em Janeiro de 2019. Depois desse anúncio, a empresa anunciou novas expansões para seu recém lançado exclusivo Sea of Thieves. O jogo foi duramente criticado justamente pela ausência de conteúdo no seu lançamento. A primeira expansão chegará em Junho e a segunda em Setembro. Com os novos conteúdos, a Microsoft e a Rare esperam “ressuscitar” o jogo que esfriou mediante a grande quantidade de lançamentos. Em seguida, foi revelado um trailer do modo Campanha de Battlefield V, servindo para cutucar seu concorrente Call of Duty: Black Ops 4 que não contará com Modo História esse ano.

Logo em seguida foi feito o segundo maior anúncio da noite – Forza Horizon 4 e já com data de lançamento. Ao contrário do que os rumores diziam, o jogo será ambientado na Grã-Bretanha e não no Japão como todos esperavam.

Forza Horizon 4 promete ser o jogo mais ambicioso da franquia. Com um sistema dinâmico de alteração de estações, o jogo será basicamente um MMO de corrida. Todos os corredores do game serão outras pessoas reais, gerando engajamento e aumentando a competitividade. Uma novidade interessante é que os jogadores poderão comprar estabelecimentos espalhados pelo mapa, aumentando a renda e servindo como ponto de viagem rápida. Em seguida, a Microsoft fez uma revelação simplesmente bombástica – a compra de quatro estúdios que passarão a integrar a divisão Microsoft Studios. Os estúdios em questão foram: Playground Games (da série Forza Horizon), Undead Labs (State of Decay 2), Ninja Theory (Hellblade: Senua’s Sacrifice) e Compulsion Games (We Happy Few). O jogo da Compulsion, We Happy Few, ganhou data de lançamento – 10 de Agosto de 2018. Com essa iniciativa, a Microsoft prometeu fortalecer o portfólio do Xbox One, principalmente com jogos focados na narrativa.

Em seguida, a empresa exibiu Tales of Vesperia: Definitive Edition. Uma remasterização do clássico JRPG. Essa ação evidencia os esforços da editora em se aproximar dos estúdios orientais, diversificando o acervo do Xbox. The Division 2 também foi exibido com um gameplay frenético, mas falaremos mais sobre o jogo no post da Ubisoft. A empresa também focou no institucional, falando sobre a iniciativa Game Pass, que receberá melhorias na velocidade de transferência dos jogos, e o apoio da empresa aos jogos independentes. Cerca de 25 jogos indies chegarão ao Xbox One entre 2018 e 2019, onde uma parcela desses estarão disponíveis no Game Pass no dia do lançamento.

Um anúncio que deixou todos chocados foi Devil May Cry 5. Apesar de ter sido praticamente confirmado dias antes do evento, todos esperavam que o jogo fosse anunciado na conferência da Sony, não no showcase da Microsoft. O novo título da saga contará com algumas mudanças, principalmente no protagonismo. Dante dará lugar a Nero, personagem já conhecido dos fãs. Apesar do anúncio, nem todos ficaram empolgados com o que viram. O jogo parece estar extremamente similar ao reboot da franquia, decepcionando os jogadores que esperavam por mudanças significativas na estrutura do jogo.

Após DmC 5, a Microsoft fortaleceu seu acervo de jogos japoneses mais uma vez com o promissor Jump Force. O jogo de luta da Bandai Namco promete render horas de diversão com muita pancadaria entre os principais personagens de animes. Os fãs certamente ficaram felizes com a aproximação da editora em relação aos jogos japoneses. A ausência de jogos orientais era sentida desde o começo da geração. A iniciativa independente foi reforçada com o anúncio oficial de Dying Light 2, jogo indie bastante cultuado e premiado na indústria.

Como já deu pra notar, a Microsoft não poupou esforços para impressionar os donos de um Xbox. Se já estavam achando a conferência incrível, a empresa guardou o melhor para o final! A revelação de Battletoads deixou a plateia eufórica, no entanto, apenas o logotipo foi revelado. Um teaser de jogabilidade traria ainda mais fervor para nós jogadores. A MS também decidiu capitalizar a franquia Gears, anunciando três jogos do segmento: Gears Pop (mobile), Gears Tactics (PC) e Gears 5 (Xbox One e PC).

Gears 5 trará diversas mudanças significativas para a franquia. Primeiramente, a saga vai abandonar o “Of Wars” numa clara estratégia de diferenciação do famoso jogo da Sony, God of War. Em segundo lugar, o jogo será protagonizado por uma mulher, diferente dos outros títulos que tinham a “Família Fênix” como protagonista. Em terceiro lugar, o mundo do jogo terá uma estrutura mais aberta, escapando um pouco da linearidade dos outros títulos. Gears 5 será lançado em 2019 em uma data ainda não divulgada.

A Microsoft encerrou a conferência com chave de ouro, exibindo um trailer do aguardado Cyberpunk 2077, o novo projeto da CD Projekt Red. Apesar de não apresentar trechos de jogabilidade, o trailer impressiona pela qualidade gráfica e pela ambientação.

Segue a relação dos pontos fortes e pontos fracos da conferência:

Pontos Fortes: Fortalecimento dos Exclusivos, Apoio aos Jogos Independentes, Novas parcerias comerciais para jogos multiplataformas, Aproximação com desenvolvedoras japonesas, Aquisição de novos estúdios, Fortalecimento dos Serviços
Pontos Fracos: Ausência de Gameplays, Poucos Exclusivos Novos

Fiquem ligados em nosso site para ler sobre nossas impressões acerca das conferências da Ubisoft, Sony, Bethesda e Nintendo.

 

Comentários