Esse Clássico é Barril #01 PSICOSE

Vinicius Dias . Há 6 meses atrás

Fala Nerd’s, beleza? Cês tão ligados que a gente adora falar de filme por aqui, né? Então nada mais justo que mais um quadro fixo para falar de clássicos. Esse de hoje muuuuita gente conhece, mas vamos pensar naqueles que também ainda não assistiram né? O filme de hoje tem nada mais de 60 anos e até hoje não sai da lista de vários fãs de terror. Psicose coroou Alfred Hitchcock como um dos queridinhos do cinema e o tornou famoso no mundo inteiro. Então, sem mais delongas, vamos conhecer um pouquinho desse filme que é barril dobrado…

Após roubar 40mil dólares da empresa em que trabalha para pagar as dívidas do amante, a secretária Marion Crane (Janet Leigh) decide fugir para não ser pega. Após dirigir por dois dias seguidos, sem um rumo definido, uma tempestade faz com que ela se hospede no Motel Bates, um lugar decadente, que quase fechou suas portas após o desvio da autoestrada.

No hotel, Marion é recepcionada por Norman Bates (Anthony Perkins), um rapaz tímido e simpático que faz questão de deixá-la confortável. Ele convida Mary para comerem um sanduíche com leite em sua casa, porém sua mãe diz que não quer que ele jante com Mary, mas eles acabam comendo juntos em uma sala pequena. Logo após o lanche, Mary decide tomar um banho, mas é brutalmente esfaqueada pela mãe de Norman.

A partir desse momento, a gente passa a conhecer um pouco mais a irmã de Marion, Lila Crane (Vera Miles), faz de tudo para tentar encontrar a então desaparecida Mary, junto com o namorado da mesma, Sam Loomis (John Gavin) e o detetive Arbogast (Martin Balsam). Quando eles conseguem finalmente chegar ao Motel, a mãe de Norman também assassina o detetive que havia começado a interrogá-la.

Depois, Lila e Sam vão até o xerife da região, Al Chambers (John McIntire), e ficam sabendo que a mãe de Norman estava morta há mais de dez anos. Nesse momento do filme, eu pausei e olhei pro nada me perguntando: “ué??” Então, se a mãe de Norman Bates está morta, surge a dúvida sobre quem teria matado Marion. Lila e Sam vão até o motel, e descobrem algo impressionante: Norman Bates assassinou a mãe, mas, para mantê-la viva em sua mente, roubou seu cadáver, e tem dupla personalidade, fala e age como a mãe, quando se interessa por uma mulher sua personalidade de mãe fica com ciúme e mata-a (aiai, isso só melhora).

Psycho foi feito com base no romance de mesmo nome de 1959 de Robert Bloch, o qual foi vagamente inspirado no caso do assassino e ladrão de túmulos Ed Gein (que também inspirou O Massacre da Serra Elétrica).

Hitchcock adquiriu os direitos para o romance por 9.500 dólares e teria ordenado Robertson a compra de cópias para preservar surpresas do romance. O diretor, que enfrentou concorrentes do gênero cujas obras foram criticamente comparados com a sua própria, estava buscando um novo material para se recuperar de dois projetos abortados com a Paramount, Flamingo Feather e No Bail for the Judge. Ele não gostava das demandas salariais das estrelas e confiava apenas em algumas pessoas para escolher o material prospectivo, incluindo Robertson.

Após ser rejeitado pela Paramount, Hitchcock financiou e filmou o projeto na Universal-International usando sua equipe Shamley Productions e a Paramount ficando apenas para distribuir. Em vez de sua habitual taxa de 250 000 dólares do diretor, ele propôs uma participação de 60% no filme negativo. Esta oferta combinada foi aceito e Hitchcock foi adiante apesar das advertências do produtor Herbert Coleman e o executivo Joan Harrison da Shamley Productions.

Logo quando foi lançado, Psicose recebeu críticas tanto negativas, quanto positivas. Mas com o passar dos anos, o número de críticas positivas ultrapassou o número de negativas. Psycho hoje tem ampla aclamação por parte da crítica especializada. Com tomatometer de 96% em base de 82 críticas, o Rotten Tomatoes publicou um consenso: “Infame por sua cena do chuveiro, mas imortal por sua contribuição para o gênero horror. Porque Psicose foi filmado com tato, graça e arte, Hitchcock não apenas criou horror moderno, ele o validou”. Tem 94% de aprovação por parte da audiência, usada para calcular a recepção do público a partir de votos dos usuários do site.

Em 1961, o longa concorreu em quatro categorias do Oscar (melhor atriz coadjuvante, melhor fotografia, melhor direção de arte e melhor direção). No mesmo ano, ele levou o Globo de Ouro na categoria “Melhor Atriz Coadjuvante” para Janet Leigh e Melhor filme no Prêmio Edgar Allan Poe.

Por essas e outras que vale a pena separar uma hora e meia de relógio do seu precioso tempo para ver esse clássico que até hoje arrasta uma legião de fãs.

 

26 anos, formado em Letras, Espanhol e Literaturas e grande fã de filmes de terror.

Comentários