Gore- 5 filmes que você (não) precisa ver.

Vinicius Dias . Há 3 anos atrás

ATENÇÃO: Essa matéria não é indicada para menores de 16 anos.

Gore ou Splatter é um subgênero cinematográfico dos filmes de horror, que é caracterizado pela presença de cenas EXTREMAMENTE violentas. Portanto, se você tiver o estômago fraco ou problema no coração, eu aconselho que não prossiga com a leitura.

Engana-se quem pensa que o gore é apenas um subgênero da sétima arte. Ele também está presente na literatura, música, jogos eletrônicos e artes plásticas, por exemplo – e o seu intuito é horrorizar e chocar o espectador, despertando sensações de desespero, ansiedade e medo.

Como fã de filme de terror, uma hora ou outra eu embarcaria nesse subgênero que é odiado e incompreendido por tanta gente. Hoje vou falar um pouco do meu top 5 dessa categoria “repugnante”, e desafio vocês a encararem essa jornada sangrenta comigo. Prometo que vocês não terminarão de ver um desses filmes da mesma maneira que começaram. Então, sem mais delongas, preparem o estômago e boa leitura!

  1. Salò, ou 120 dias de Sodoma. (1975)

Salò, ou 120 dias de Sodoma, é uma obra de Pier Paolo Pasolini, baseada no livro de Marquês de Sade “Os 120 Dias de Sodoma”. A obra é um grito político contra os fascistas e a igreja. Pasolini era homossexual, ateu e comunista e foi assassinado logo depois das gravações do longa (seu assassino nunca foi encontrado).

Mas vamos ao que interessa: a história por trás de todo esse grito político que Pasolini desejava dar e que acabou falhando miseravelmente.

Salò ou 120 dias de Sodoma, conta a história de dezesseis jovens (oito homens e oito mulheres) que são sequestrados a mando de quatro libertários fascistas e presos numa mansão na província de Salò, na Itália. O intuito? Que os jovens servissem para satisfazer os mais grotescos desejos sexuais de uma grande quantidade de ricos fascistas.

O filme é dividido em três partes intituladas como “O Círculo de Manias”, “O Círculo da Merda” e “O Círculo do Sangue”. Assim que chegam à mansão os jovens ouvem todas as instruções dadas e que podemos resumir em: “ninguém sairá vivo daqui”.

Logo no começo, as torturas podem até nos causar certa comoção, mas logo isso se perde. A contratação de pessoas aleatórias para fazer os papéis dos torturados, a falta de uma boa fotografia e as encenações ridículas (como a da menina chorando ao ser obrigada a comer uma enorme porção de fezes na frente de todos) acaba fazendo com o que sintamos apenas nojo e um pouco de agonia.

No Final das contas, Salò é um filme que choca aqueles que não são acostumados a filmes do gênero, mas que deixa muito a desejar em atuação, direção e trilha sonora (que é inexistente).

 

 

  1. A Serbian Film- Terror sem Limites (2010)

***(ESSA NARRATIVA CONTÉM SPOILERS)***

Tem uma coisa que digo com toda certeza: “A Serbian Film” ficará na sua cabeça por longos e intermináveis dias. Realmente é um terror sem limites, que muitas vezes pode se tornar desnecessário e incomodo para grande parte dos telespectadores. No ano do seu lançamento, o longa foi proibido em diversos países (incluindo o Brasil), porque segundo alguns críticos o filme tratava de terror extremo usando um assunto que é tabu em muitos lugares: o sexo. E então você se pergunta: “Mas cenas de sexo podem fazer com que um filme seja proibido em vários países?” Continue com a leitura e logo entenderá o porquê.

O longa, dirigido por Srdjan Spasojevic, conta a história de Milos (Srdjan Todorovic), um ex ator pornô conhecido por suas duradouras ereções, mas que agora vive com a sua adorável esposa e o seu filho de seis anos. Milos está com problemas financeiros e então é chamado para estrelar um filme pornô com um novo produtor que em troca lhe pagará um cachê milionário.

Tudo parecia correr bem, até que Milos começa a estranhar o rumo que as gravações tomavam (ele não tinha nenhum roteiro para seguir, apenas tinha que chegar aos locais da gravação e obedecer as ordens do diretor). Logo na primeira cena do seu novo filme, Milos é posto a prova quando tem que praticar sexo com uma mulher na frente da sua filha pequena que gritava “ACABA COM A MAMÃE”.

Diante de tanto estranhamento, as gravações demoram um pouco para chegar ao fim e a direção do filme resolve “apimentar” as coisas. Milos então começa a ser drogado com um Viagra dado para os bovinos procriarem, fazendo com que ele tenha um apetite sexual incontrolável.

As cenas posteriores talvez façam com que a maioria das pessoas desligue a TV e pensem: “que tipo de pessoa pensa em fazer um filme assim?”. Milos finalmente consegue praticar sexo com a mulher, que estava amarrada a cama. No meio do ato sexual, ele pega um taco de beisebol, espanca a mulher até a morte e continua praticando o ato sexual com o cadáver. Mas se engana quem pensa que o filme foi proibido por isso.

Se você teve estômago para chegar até essa parte do filme, não vá achando que nada mais que venha da mente doentia de Spasojevic pode te surpreender. As cenas que sucedem esse ato terrível foi o que fez com que grande parte dos telespectadores pensasse: “eu nunca mais vou ver esse filme na vida”.

Milos está totalmente dependente das drogas dadas pelo sádico diretor e está pelado numa sala grande, ao seu lado está o seu melhor amigo, também pelado, eles são observados por muitos homens que fazem parte do clã doentio do roteirista. Duas pessoas estão nuas e viradas de costas, amarradas e encapuzadas.

“Escolham e sirvam-se” foi o sinal que eles estavam esperando para começar a praticar o ato sexual com as duas pessoas. Nos minutos seguintes o que se passa é talvez a pior coisa que eu já tenha visto em filmes (e olha que já vi muita coisa).

O diretor arranca o capuz da cabeça da vítima do melhor amigo de Milos, e então vemos sua esposa desacordada e totalmente nua, com marcas pelo corpo. “E agora com vocês o grande final”, essas são as palavras ditas antes que Milos pudesse ver quem era a sua vítima: o seu filho, de seis anos que havia sido drogado até a morte.

Se você conseguiu chegar até essa parte do filme, com toda a certeza do mundo você aguenta o rio de sangue que vem pela frente (pois é, ainda vem mais coisa).

Aposto que vocês vão me agradecer por todo esse spoiler que fará você morrer de curiosidade para assistir logo (dica: tem no youtube), ou fará você correr cada vez que ouvir falar nesse filme.

  1. 31- A morte é a única saída. (2016)

31,é um filme de Rob Zombie (diretor dos últimos filmes da franquia Halloween e Rejeitados pelo diabo), e conta a história de cinco pessoas que trabalham em um circo e estão na estrada prontos para apresentar um novo espetáculo. Tudo corria bem até que um grupo de palhaços loucos sequestra a van e faz todo mundo de refém num sádico jogo pela vida.

Para sair vivo é simples: tinha que aguentar passar 12 horas dentro de uma espécie de galpão com os mais loucos assassinos (incluindo um anão nazista e irmãos que seguem os passos de Leatherface- o massacre da serra elétrica). A cada pessoa morta, um novo cenário é apresentado, dando a impressão de que estamos em um jogo de videogame sádico, com muitas vísceras e apelo sexual.

Vale destacar que Rob Zombie é um dos nomes mais aclamados do gênero, mas não tinha verba para gravar esse filme (até que resolve fazer uma “vaquinha” na internet e seus fãs acabam financiando o longa).

Um dos destaques (que no final acaba mostrando uma atuação mais fraca do que a esperada) é a presença da esposa de Rob, Sheri Moon Zombie, que já protagonizou alguns filmes do seu marido anteriormente.

O vilão Doom Head (Richard Brake), é um show a parte no longa desde o primeiro minuto, onde somos apresentados ao pior dos assassinos que após “declamar” todo o seu monólogo, acaba assassinando a sua vítima.

Vale destacar que essa não é uma das maiores obras de Rob, mas diante das circunstancias ela acabou de tornando uma das mais esperadas pelos fãs do gênero.

  2. Guinea Pig (1980 a 1990).

Guinea Pig é uma série de sete controversos filmes de terror gore-slasher japonês dos anos 1980 a 1990 e de cara eu já aviso: É uma série pra poucos!!!!

O primeiro filme dessa série doentia é intitulado como “Za ginipigu: Akuma no jikken” (Guinea Pig: Devil’s Experiment), e conta a história de três homens que sequestram uma mulher com o intuito de descobrir até onde ela consegue suportar ao ser submetida as mais perversas torturas. Então é isso, o filme é uma série de torturas, uma após a outra, como animais pelo corpo, música no mais alto volume e a famosa “agulhada no olho” fazem parte desse agoniante curta que foi sucesso pelo mundo e serviu de “start” para que outros filmes fossem gravados.

“Za ginipiggu 2: Chiniku no Hana” (Guinea Pi 2: Flowers of Flesh and Blood), é de 1985 e um dos mais famosos da série. Este filme fez com que o ator Charlie Sheen (aquele da série two and a half men) corresse para delegacia para denunciar assim que acabou de assistir e obviamente que eu tive que assistir pra saber o porquê. Acreditem, eu não vou colocar nenhuma imagem aqui para que vocês não me odeiem.

Na história, que dura intermináveis 43 minutos, um samurai sequestra uma moça e a leva para sua casa. Lá ele a seda e começa a desmembrá-la ainda viva, assistindo a tudo que o doido maníaco está fazendo. Este, além de ser o mais famoso da série, ainda tem como diretor Hideshi Hino, autor do sangrento mangá “Panorama of Hell”.

Como as cenas eram muito reais, a polícia de Tókio teve que intervir e prender os envolvidos nos filmes até que eles provassem que tudo não passou de maquiagem e efeitos especiais. Os diretores foram obrigados a comercializar fitas com o making of das filmagens, para provar que não se tratavam de filmes snuff (filmes que mostram assassinatos reais).

Então se você tiver coragem, assista Guinea Pig e nos conte a sua experiência.

 

  1. Cannibal Holocaust (1980)

Esse sem dúvidas está em todas as listas gore que você encontrar pela internet. Conhecido como o filme mais violento de todos os tempos, Cannibal Holocaust é um filme italiano de 1980 dirigido por Ruggero Deodato e escrito por Gianfranco Clerici.

Filmado no Brasil e em Portugal, o longa conta a história de documentaristas que em 1979, desaparece na floresta Amazônica enquanto filmava um documentário intitulado “The Green Hell”, sobre tribos indígenas canibais. Harold Monroe, um antropólogo da Universidade de Nova Iorque, concordou em liderar uma equipe de resgate na esperança de encontrar os cineastas desaparecidos. Porém tudo que ele encontra são fitas feitas pelos documentaristas e a partir desse momento o filme toma um rumo totalmente angustiante e nojento.

Enquanto assistimos junto com o antropólogo tudo que aconteceu nessa barbárie, vemos que os documentaristas instigavam os índios, estuprando, mutilando e incendiando suas moradias. O que acontece a seguir acaba transformando os índios em verdadeiros vilões.

O grupo de documentaristas é aprisionado e torturado de diversas maneiras. Mortes a pauladas, decapitação e castração são algumas das “punições” que os documentaristas sofrem e que deixam o telespectador de queixo caído.

A repulsa da população diante de tantas imagens reais fez com o que o filme saísse de cartaz e que o diretor ficasse detido até que apresentasse provas de que não tinha drogado e matado os protagonistas do filme (o sumiço dos atores só serviu pra reforçar essa teoria, que logo foi descartada).

Uma das cenas mais fortes do filme talvez seja a que mostra uma mulher empalada (não é todo mundo que consegue ver essa cena sem fechar os olhos e esperar que ela termine). Então, caso você seja REALMENTE forte, assista esse filme italiano e tenha uma experiência, no mínimo inesquecível.

Se tiver coragem de ver algum filme dessa lista, ou se já viu e não concorda que seja isso tudo, conta pra gente. Vamos adorar saber como foi para você se revirar na cama sem conseguir dormir.

26 anos, formado em Letras, Espanhol e Literaturas e grande fã de filmes de terror.

Comentários