Quatro leituras essenciais na quarentena

Vinicius Dias . Há 9 meses atrás

Fala nerds, beleza? 

A gente sabe que a quarentena já deu o que tinha que dar, não é? E a falta do que fazer já tá acabando com o psicológico de muita gente por aí. 

Uma das maneiras de se distrair e melhorar um pouco essa carreata de coisas ruins que a quarentena trouxe, é lendo. Isso mesmo, aquela diversão que não depende de bateria, que você pode fazer em qualquer lugar e a qualquer hora. 

Por esse motivo, resolvi trazer quatro leituras que vão fazer a sua mente expandir e que com certeza vão entrar na sua lista de leituras preferidas da vida!!  

1. O COLECIONADOR

O Colecionador – John Fowles (1963)

Com uma edição fantástica da DarkSide, e um livro que mais parece um quadro de tão lindo,  “O Colecionador” é o romance  de estreia de John Fowles. Publicado em 1963, o livro conta a história de Frederick Clegg, um um homem solitário, de origem humilde, menosprezado por uma sociedade esnobe, que encontra o grande amor de sua vida. Tudo o que ele deseja é passar um tempo a sós com ela, demonstrar seus nobres sentimentos e deixar claro que eles nasceram um para o outro. Em contrapartida, conhecemos também Miranda Gray, uma jovem estudante de artes sequestrada por Clegg, que acha que pode obrigá-la a se apaixonar por ele. Tudo o que ela deseja é escapar do cativeiro, e vai usar de toda sua inteligência para sobreviver ao inferno em que sua vida se transformou.

Dividido em 4 partes, somos apresentados a visão de Clegg e Miranda durante a sua “estadia” no porão da casa afastada do mundo civilizado a qual a protagonista estava acostumada.  É assim que Fowles destaca em seu Thriller as visões antagônicas do mundo. 

O Colecionador – John Fowles (1963)

Durante algumas páginas nos comparecemos com a dor de Miranda e sentimos pena do sequestrador, mostrando que no fim sempre levamos dentro da gente um pouco de cada um dos mundos. 

Com um final angustiante e digno de títulos para John Fowles, a única coisa que podemos pensar é que Stephen King estava certo ao afirmar que: “As últimas quarenta páginas de “O Colecionador” estão entre as leituras mais compulsivas do século XX”. 

Sem sombra de dúvidas, o livro de Fowles não é uma leitura para muitos e pode possuir conteúdo sensível para alguns leitores. Mas eu e o meu gosto peculiar adoramos e com certeza já está no meu top 5 da vida!!! 

2. A GAROTA DO LAGO 

A Garota do Lago – Charlie Donlea (2016)

“Mas descobrir um segredo jamais é a chave. Descobrir por que um segredo é um segredo é o que leva a algum lugar.”

Publicado pela Faro Editorial, “A Garota do Lago” vai contar a história de duas personagens. A estudante de direito Becca Eckersley, que foi brutalmente assassinada em uma das casas da pequena cidade de Summit Lake. Filha de um poderoso advogado, Becca estava no auge de sua vida. E em contrapartida conhecemos a repórter Kelsey Castle, que vai até a cidade a mando do seu chefe para investigar o caso. 

A linha temporal apresentada no livro alterna entre passado e futuro. Mostrando a vida de Becca meses antes de ser assassinada e a estadia de Kelsey na luta desenfreada para achar o assassino da estudante. 

A medida em que a repórter descobre sobre as amizades de Becca, sua vida amorosa e os segredos que ela guardava, fica cada vez mais convencida de que a verdade sobre o que aconteceu com Becca pode ser a chave para superar as marcas sombrias do seu próprio passado.

Confesso que no começo não me senti tentado a comprar esse livro, mas fui digitalmente influenciado pela quantidade absurda de pessoas que leram e amaram essa obra prima e agradeço imensamente por essa indicação maravilhosa. 

A leitura do livro é fluida e a narrativa me envolveu de uma forma que me fez engolir as 296 páginas em apenas um dia. É um daqueles livros que você pensa: “só mais um capítulo e eu vou dormir”, mas quando se dá conta, já se passaram horas e você não conseguiu desgrudar um minuto sequer. 

A cada capítulo eu suspeitava de três ou quatro pessoas, e no final o autor me pegou pelo braço e falou: “Por que você ainda tenta, seu trouxa?” Foi uma verdadeira decepção eu não ter imaginado o final desse livro (sim, eu leio imaginando finais e criando mil teorias). 

Com toda certeza do mundo, e sem medo de errar, eu indico a leitura de “A Garota do Lago”, essa obra prima escrita por Charlie Donlea vai te prender assim como me prendeu. 

3. ED E LORRAINE: VIDAS ETERNAS

Ed e Lorraine Warren – Vidas Eternas – Robert Curran (1988)

Em mais uma edição da DarkSide, somos apresentados a um caso terrível enfrentado pelo casal de demonologistas mais famoso do mundo, os Warren. No decorrer das 256 páginas, conhecemos a história da família Smurl, composta por Jack, Janet e suas 4 filhas. 

Escrito em forma de documentário, “Ed e Lorraine: Vidas Eternas” conta com o depoimento de 8 pessoas da família e mais 28 testemunhas que presenciaram fatos estranhos que aconteciam na casa 328-330 da Chase Street em West Pittston.  O estilo da escrita torna a leitura muito mais fácil e rápida. 

Católicos e com uma reputação invejável, ninguém diria que os Smurl seriam perturbados por espíritos e que passariam a sofrer os piores castigos ao qual um ser humano pode aguentar. O casal é levado ao limite, tendo até que provar que estavam com a faculdade mental em dia  por diversas vezes. 

Após a recusa da igreja em ajudar, o casal acaba procurando por Ed e Lorraine, que explicam o que a família Smurl está enfrentando e, de certa forma, acabam se tornando um porto seguro para eles, trazendo a tranquilidade que eles tanto esperavam (mesmo que essa tranquilidade não durasse nem um dia). 

A narrativa possui algumas brechas e não foca muito na atuação de Ed e Lorraine. As inúmeras páginas detalham com precisão cada ataque que a família sofreu por anos. Manifestações tenebrosas, vultos perturbadores, marcas inexplicáveis e torturas excruciantes faziam parte do dia a dia da família, dentro e fora de casa.

Mesmo sendo muito bem avaliado e comentado por muita gente, “Vidas Eternas” não me cativou tanto e tratando-se do livro final da coleção de Arquivos Sobrenaturais que homenageia a dupla era de se esperar bem mais. 

Mas indico o livro para quem tem curiosidade em saber como o mal pode agir na vida das pessoas, mesmo que não sejam merecedoras de tal sofrimento. 

4. HORROR NOIRE: A REPRESENTAÇÃO NEGRA NO CINEMA DE HORROR. 

Horror Noire – Robin R. Means Coleman (2011)

E por último, mas não menos importante temos HORROR NOIRE- A REPRESENTAÇÃO NEGRA NO CINEMA DE TERROR. 

“Nossos nomes serão escritos em milhares de paredes. Venha comigo e torne-se imortal”. CANDYMAN

Escrito por Robin R. Means Coleman, “Horror Noire” é resultado de um extenso trabalho acadêmico, onde a autora mapeia de forma brilhante e coesa a representação do negro nos filmes de terror (desde antes de 1930 até os dias atuais). 

Sempre representados como seres bestiais ou como uma salvação para o protagonista branco, os personagens negros (que muitas vezes eram representados por brancos que faziam blackface), só tiveram esperança com a estreia de “A Noite dos Mortos Vivos”, em 1968 (mas essa esperança logo cairia por terra). 

Horror Noire – Robin R. Means Coleman (2011)

Separando por décadas, Robin nos apresenta a negros que a todo momento são perseguidos pela polícia, que morrem sem nenhuma razão específica ou que nem sequer tem o seu nome creditado (parece que já vimos isso em outros gêneros também). 

A autora apresenta de forma excepcional as variantes de um problema enfrentado por uma personagem negra e uma branca. Salientando que não importa quantas vezes você seja melhor, o seu destino nunca será bom se você não for a Final Girl dos filmes famosos (Halloween, A Morte do Demônio e tantos outros que o digam).

Fica evidente que o cinema tem papel fundamental na formação de valores de uma determinada época e mais uma vez, a darkside acerta ao publicar um livro que emociona e mostra representatividade (dessa vez não só aos fãs de terror). E, apesar de mostrar que demoramos muito para ocupar um lugar que era nosso por direito, a autora aponta que muito ainda tem que ser feito e deixa um aviso final: “estamos de volta”!! 

Conta aqui pra mim se sentiu curiosidade em ler alguma dessas obras, ou se leu e não achou nada demais!! Vou adorar saber o que vocês andam lendo nessa quarentena. 

26 anos, formado em Letras, Espanhol e Literaturas e grande fã de filmes de terror.

Comentários