Revisitando um Clássico – De Volta Para o Futuro

Peu Agra . Há 2 anos atrás

A cultura pop é marcada por muitas duplas famosas, Batman e Robin; o Gordo e o Magro; Buzz Lightear e Woody; Thelma e Louise; Vincent e Jules; Tom e Jerry; Bruno e Marrone (brincadeira!) e outros personagens icônicos que fizeram de sua amizade a sua maior característica. Em 1985 fomos apresentados uma das duplas mais dinâmicas do cinema, Marty McFly ( Michael J. Fox) e Dr. Emmett “Doc” Brown (Christopher Lloyd), que juntos desbravaram o tempo a bordo de um Delorian.

Paul Nigh's 'TeamTimeCar.com' Back to the Future DeLorean Time Machine

É impossível escolher apenas um dos filmes para se falar quando toda a trilogia é uma obra prima por completo. No primeiro filme (1985), Marty vai parar em 1955 e tem que desfazer uma confusão envolvendo seus pais para que ele mesmo não deixe de existir no futuro. Em seu epílogo o filme deixa uma brecha para a continuação (1989), onde os dois tem que ir até o futuro para impedir que a família de McFly tenha problemas devido a prisão do filho, e acabam causando uma confusão na linha temporal. Logo 6 meses depois (1990) foi lançado o glorioso final da série onde os personagens têm que arrumar uma forma de sair do velho oeste antes que o Dr. Brown seja assassinado.

Com um roteiro exemplar a trilogia consegue se diferenciar da maioria das ficções científicas justamente por abordar o tema da viagem no tempo de uma forma mais descomplicada. Os filmes literalmente brincam com eles mesmos através de referências que foram colocadas de forma criativamente calculada, quase nenhuma cena é em vão e é maravilhoso perceber isso.

No primeiro capítulo muitos criticam o início um tanto arrastado, visto que o desenrolar da estória principal só se inicia após o momento que Marty viaja para 1955. É então que vemos que todos os acontecimentos eram referências à coisas que ainda irão acontecer (ou já aconteceram). Na sequência isso ainda vai mais além, pois vemos toda uma recriação das situações do primeiro filme, porém numa outra época e no final vemos os acontecimentos do primeiro através do ponto de vista de um outro McFly, com direito a uma conversa entre o Doc do passado com o Doc do futuro. E para fechar com chave de ouro a Parte 3 coloca os personagens no meio do velho oeste com direito a todos os clichês dos Westerns. O interessante é reparar nos “easter eggs” presentes no filme 2, que dão dicas do rumo que a trama irá levar no filme 3, como na cena em que Biff assiste ao filme, Por um Punhado de Dólares (Sérgio Leoni, 1964), um clássico do gênero.

A direção de arte, os cenários da cidade de fictícia de Hill Valley foram construídos para que tudo funcione de forma bem orgânica durante o desenvolvimento e isso é explorado ao longo de toda a série  de uma forma criativa que faz o espectador se familiarizar facilmente com o que vê na tela. Os figurinos e a fotografia também merecem seus créditos pois cumprem seu papel, tanto na criação de um futuro imaginário para o público da época, quanto na recriação do ambiente de épocas que já passaram e nesse aspecto devemos realmente aplaudir o trabalho no capítulo final onde eles realmente conseguiram reproduzir o clima de um Western em todos os seus aspectos, inclusive satirizando através das roupas que Martin usa no início.

Porém o ponto alto mesmo são as atuações, Michael J. Fox e Christopher Lloyd nos entregam personagens tão carismáticos que é realmente impossível imaginar outros atores o fazendo, o que quase aconteceu pois o papel de McFly inicialmente seria de Eric Stoltz, porém mesmo com algumas cenas já gravadas ele foi substituído pois não estava convencendo como adolescente nas telas.

Chegou o grande dia: Marty McFly chegou ao futuro! Para comemorar, confira o antes e depois do elenco de De Volta Para o Futuro! - Estrelando

Uma aventura leve com personagens engraçados e carismáticos, um roteiro bem construído que soube trabalhar bem a metalinguagem, balancear o tom da estória e acima de tudo encantar o público. Com um início surpreendente, um meio satisfatório e um final que graças a Deus não caiu na maldição do terceiro filme, a trilogia De Volta para o Futuro é uma obra prima da Ficção Científica dirigida por Robert Zemeckis e produzida por Steven Spielberg que ficará por muito tempo marcada na memória.

Cineasta em formação, fotógrafo por diversão, artista em evolução e escritor, por que não? Também sou o pai de Joaquim, o bebezudo.

Comentários