Tinha quer ser ele? – Tinha quer ser eu?

Háron Souzza . Há 4 anos atrás

Tinha que ser ele? Tinha que ser eu?

Eu confesso que não gosto muito de comédias. Essa é uma boa forma de começar, eu acho… No geral eu assisto comédia sem muitas expectativas, mas não nego que sou fã do ator Bryan Cranston, e por se tratar de um filme dele, não pude deixar as expectativas baixas, mas nossa, que decepção…

Tinha que ser ele conta a história de Ned Fleming (Bryan Cranston), um dono de gráfica que se nega a acompanhar a evolução tecnológica da internet e suas mudanças. Fleming tem uma família comum e leva uma vida simples, até sua filha Stephanie (Zoey Deutch) se envolver com um milionário do mundo dos games Laird Mayhew (James Franco). Laird transforma um simples natal em família em um feriado louco e cheio de extravagância.

O filme não é muito diferente de quase todas as comédias americanas sobre um pai e um genro, ou um genro e um sogro (vide Entrando numa fria, que por sinal, é bem melhor). O filme tem um senso de humor meio exagerado, colocando os personagens em situações constrangedoras e desnecessárias. Além de exagerar nos palavrões e na loucura toda. Na verdade, o filme inteiro é um exagero…

A atuação é boa e convincente, mas o roteiro e a direção deixam muito a desejar, criando situações para gerar um alívio cômico, que não são nada cômicas.

Eu realmente não gostei do filme e senti até que foi uma perda de tempo assisti-lo. Meu tempo teria sido melhor investido em outros longas. Portanto, a única coisa que o filme deixou para mim foi uma pergunta bem clichê na minha mente: “Tinha que ter sido esse filme?”

Eu não indico e dou nota baixa, levando em consideração somente a atuação.

Deixo claro que essa é a minha opinião, e como já disse no início, não sou chegado a comédias.

Nome: Tinha que ser ele? (Why Him?, EUA, 2016)
Data de lançamento no Brasil: 16 de Março de 2017
Duração: 1h 52min.
Direção: John Hamburg.
Elenco: James Franco, Bryan Cranston, Megan Mullally e mais
Gênero: Comédia.
Nota: 1/5.

 

Soteropolitano, 26 anos, publicitário que ama quadrinhos e ganha a vida testando jogos. Fãboy da Blizzard, ama suspense, terror, ficção cientifica e drama.

Comentários