VINÍCIUS DE MORAES — 40 anos de saudade

Alessia Sales . Há 10 meses atrás

Hoje, 9 de Julho de 2020, completam exatos 40 anos que o compositor e poeta, Vinícius de Moraes, nos deixou. Também chamado de Poetinha, apelido atribuído por Tom Jobim, Vinícius era conhecido como um boêmio inveterado, fumante e apreciador do uísque, e por ser um grande conquistador (tendo nove casamentos ao longo de sua vida).

Mesmo com um leque de trabalhos muito vasto, passando pela literatura, teatro, cinema e música, o Poetinha sempre considerou que a poesia foi a sua primeira e maior vocação, e que sua atividade artística era por conta de ser poeta. No campo musical, ele teve como principais parceiros Tom Jobim (50 obras), Toquinho (44 obras) e Baden Powell (68 obras).

20 anos após a sua morte, em 2000, a Praia de Ipanema foi o palco de um show em homenagem a Vinícius, que contou com a participação da Orquestra Sinfônica Brasileira, Roberto Menescal, Wanda Sá, Zimbo Trio, Os Cariocas, Emílio Santiago e Toquinho, que interpretaram composições de sua autoria. Em 2003, ano em que o poeta completaria seu 90º aniversário, foram lançados vários projetos em tributo à sua criação artística. Também foi lançado o website oficial de Vinicius.

Para marcar a data de hoje, o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) registrou as músicas mais tocadas de Vinícius de Moraes, nos últimos cinco anos. Entre elas, destaca-se o pódio com os clássicos: Garota de Ipanema, Chega de Saudade e Eu Sei Que Vou Te Amar. Além dessas, a lista conta com Aquarela, composta com Toquinho, Mushi e Guido Morra, e Tarde em Itapoã, com Toquinho.

Vinícius de Moraes deixou seu legado na música popular brasileira, se tornando referência na bossa nova. Na cidade de Salvador, uma estátua do Poetinha se encontra no Farol de Itapuã, onde o artista viveu por muitos anos.


TOP5 – Melhores Poesias de Vinícius de Moraes

1 – Soneto de Fidelidade

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

2 – A Rosa de Hiroshima

Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas oh não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroshima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida.
A rosa com cirrose
A antirrosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa sem nada.

3 – Soneto de Separação

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

4 – Soneto do Amor Total

Amo-te tanto, meu amor… não cante
O humano coração com mais verdade…
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade

Amo-te afim, de um calmo amor prestante,
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente,
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim muito e amiúde,
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

5 – Pela Luz dos Olhos Teus

Quando a luz dos olhos meus
E a luz dos olhos teus
Resolvem se encontrar
Ai que bom que isso é meu Deus
Que frio que me dá o encontro desse olhar
Mas se a luz dos olhos teus
Resiste aos olhos meus só p’ra me provocar
Meu amor, juro por Deus me sinto incendiar
Meu amor, juro por Deus
Que a luz dos olhos meus já não pode esperar
Quero a luz dos olhos meus
Na luz dos olhos teus sem mais lará-lará
Pela luz dos olhos teus
Eu acho meu amor que só se pode achar
Que a luz dos olhos meus precisa se casar.

Soteropolitana, 24 invernos; quase uma publicitária. Escritora crítica e ficcionista, louca da Disney, viciada em RPG online e iludida por acreditar que vai namorar o Tom Holland.

Comentários